sábado, 26 de junho de 2010

O POEMA

Para mim os poemas, sonetos e as canções deveriam sempre ser recheados com o eterno sentimentalismo liríco dos poetas. Deixando escrito e transcrito no papel, a face oculta do seu lado humano, o seu verdadeiro eu... Pois um poema é um auto-retrato, um ser legitímo, um traço escondido da alma do poeta... Para mim um poema é uma página de diário, uma confissão melodiosa, uma auto-afirmação, revelando para o mundo a verdadeira indentidade do poeta!

Um comentário:

João Pereira, o Ente Maldito disse...

Recentemente li (e agora o estou relendo) um livro bem interessante, intitulado Artes e Ofícios da Poesia, que é resultado de um seminário de mesmo nome ocorrido em São Paulo, no MASP, no ano de 1990. As várias palestras, registradas nesse livro (se houver oportunidade, posso te emprestar algum dia), me levaram às seguintes CONSIDERAÇÕES:

Poesia não é língua,
Poesia não é romance.
Poesia não é forma,
não é regra, não é nuance.
Poesia é a linguagem
preferida dos amantes.
Poesia é o que dá forma
às ousadias mais pungentes.

Poesia não é frase,
Poesia não é pensamento.
Poesia não é sorte,
não vem conforme o vento.
Poesia é pensada,
assentada num sentimento.
A Poesia existe fora
mas o Poema... vem de dentro.

Pero Vás

Enfim, poderíamos navegar a eternidade falando sobre o que é poesia e o que é o poema. Ainda bem que somos poetas e, para nós, tanto faz o que sejam, uma ou o outro; para nós, tanto uma quanto o outro, são a resposta ao problema.
Beijos, poetisa, tua poesia (teu poema/sensibilidade/beleza) é tocante.